CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Domingo, 16 de Dezembro de 2012
Reflexão sobre uma figura pública (FP)

Estatueta do museu de arte Nelson-Atkins de Kansas City, EUA

 

Pelo seu interesse e qualidade, transcrevo na íntegra um texto hoje recebido por correio electrónico.

 

      Este excelente texto é de autoria do Coronel Reformado Álvaro Sabbo.

      Para aqueles que o não conhecem trata-se de uma referência hípica da Armade Cavalaria, e não só, um Homem com H grande, a quem pelos vistos os 80 e muitos anos não retiraram uma migalha de memória, lucidez e ironia.

Vale a pena ler!

Major General João S.Motta

 

 

 

      Envelhecer ... Corolário de estar vivo.

      Por vezes há quem pergunte porque lhe dói agora as costas, o joelho ou a anca, se nunca lhe doeram antes... Esquecem, contudo, que os óculos de leitura que têm no bolso, o cabelo branco ou já ausente, ou o controlo da impetuosidade juvenil também os não acompanham há tanto tempo assim. O processo de envelhecimento cobra inexoravelmente essas contas.

      Quantos dos que connosco privaram, nos fizeram rir ou coleccionar memórias, já hoje não estão por cá. A muitos essa evolução natural não cobrou conta nenhuma. Foi outra qualquer "secção de finanças" que os fez serem retirados de cena antes do sol se por naturalmente.

      Há porém, por vezes, uma conta cobrada pelo passar dos anos que pesa bem mais que o lumbago ou as cataratas: O Declínio Cognitivo. Este, mesmo que só moderado, corresponde a uma fase da demência senil em que já se tornam bem evidentes algumas deficiências. O indivíduo não pode recordar os detalhes de eventos recentes ou ainda em curso. Tem mesmo dificuldade em lembrar de sua própria história pessoal. A retirada social voluntária é comum, se o declínio ainda não é demasiado para  impedir o próprio indivíduo de se sentir desconfortável nessas situações.

      Criemos uma figura pública (FP) imaginária qualquer. Atribuamos-lhe um passado rico em factos e vivências políticas e sociais.mRegistemos no seu CV cargos importantes como por exemplo ministro dos negócios estrangeiros da descolonização, primeiro ministro em três governos, e presidente da república com dois mandatos.

      Imaginemos FP esquecendo detalhes da sua história pessoal, como por exemplo uma entrevista sobre descolonização ao Der Spiegel  (Nº 34/1974).

      Imaginemos FP esquecendo que a democracia parlamentar, por que supostamente sempre lutou, tem mecanismos próprios de controlo do executivo.

      Imaginemos que, mesmo havendo quem  tome FP por grão-mestre dos parlamentaristas, esta esqueceu a figura da Moção de Censura. (Iniciativa parlamentar, instrumento de controlo político do Governo à disposição da Assembleia da República, que pode ser sobre a execução do programa do Governo ou sobre qualquer outro assunto de relevante interesse nacional, e cuja aprovação por maioria absoluta implica a demissão do Governo).

      Imaginemos FP no ridículo de sair a terreiro para bradar despautérios invocando 88 anos de idade como parte da qualificação para os mesmos.

      Imaginemo-la continuando a dispor e usando tribunas que lhe são facultadas por gentes de inconfessáveis intenções.

      Imaginemos que FP esquece coisas do passado recente, como por exemplo que já há seis anos apenas  lhe ligavam 778781 portugueses  (8,81% da população inscrita para as presidenciais) e, mesmo assim, segue insultando e ameaçando gratuitamente quem cumpre mandatos populares, com comparações com o passado de mais de meio século, que só a senilidade desculpa. E esquecendo coisas como as suas participações na liderança do país, da descolonização exemplar ao FMI, das presidências opulentas e perdulárias (viajando por esse mundo fora com uma corte incomensurável) à aceitação de múltiplas reformas douradas, de privilégios hediondos, ou dos custos, sustentados por todos, duma vampiresca Fundação.

      Imaginemos que FP  vai continuando a tecer considerações sobre temas de política internacional mesmo depois de internacionalmente auto ridicularizado após, por despeito, ter insultado Nicole Fontaine, para quem perdeu a eleição quando foi candidato a presidente do Parlamento Europeu, chamando-a de  «dona de casa» com sentido pejorativo. E essa figura pública imaginária escreve num diário de grande tiragem que uns europeus (?) terão ficado muito alegres com aquilo a que chamou a "Primavera Árabe", que mais não é que a violenta instabilidade social e política vividas ultimamente nos países islâmicos, patenteando uma ridícula falta de discernimento em todo o arrazoado desse comentário. O entendimento que tem das gentes e das culturas dos países do Magrebe do Médio Oriente só podem ser comparados ao da Companhia de Jesus na América quinhentista. Venha lá mais um Paraguai para contento dos Jesuítas, e só falta vê-lo defender o banir dos Keffiyeh  e Hijab e passar tudo a andar de gravata e saia e casaco;  já houve quem o fizesse antes com os índios da Amazónia...

      A senilidade e a soberba juntas têm resultados imprevisíveis.

      O Natal está a aproximar-se.

      Será que, de toda a pilantragem a quem deu a ganhar fortunas, não há quem lhe ofereça umas pantufas e uma mantinha?

 



publicado por Fernando Vouga às 20:44
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De jorge figueira a 17 de Dezembro de 2012 às 20:32
É evidente que tudo quanto aqui está dito é triste e é o nosso "fado". Ética é coisa a que os nossos Homens Públicos prestam muita pouca atenção por não lhe sentirem qualquer serventia. Fica-nos a sensação, lendo Rui Mateus, que a ética está morta e enterrada no esquife de Salgado Zenha. Hoje, passados vários anos sobre esse evento, ética é, sem qualquer dúvida, um "molhinho" de notas de € 500.
O autor do texto confronta-nos com as limitações que o normal decurso do tempo nos traz. Não sou excepção, vou partilhar convosco uma limitação. Felicito o Fernando pela escolha da estatueta com que encima o texto e, simultaneamente, digo-lhe que tenho ideia de que pode adaptar-se a outro personagem que de momento não me ocorre quem seja! Esta minha memória...
  


De Lima Félix a 18 de Dezembro de 2012 às 03:47
Caro Vouga
Junto as minhas felicitações pela escolha da estatueta  e também pela publicação do texto.Tenho seguido o Deprofundis
e aqui te deixo os meus parabéns.
Um abraço


De Fernando Vouga a 18 de Dezembro de 2012 às 09:00
Caros amigos Jorge Figueira e Lima Félix

Fotografei esta estatueta em 1984. Se a memória não me falha, disseram-me que tem mais de 2.000 anos. Pelo que me toca, penso que terá sido esculpida por um profeta índio que, como sabemos, só profetizam grandes desgraças!...


De josé Oliveira a 19 de Dezembro de 2012 às 15:06
Caro Amigo,


Palavras para quê, trata-se de um FP português,igual a quase todas as nossas FP,cujo texto,diga-se,fabuloso,assenta que nem uma luva nesta enorme e desmesurada quadrilha que ainda manda neste país.
Agora que a foto me lembra alguém,lembra,e aqui também estou de acordo com o amigo Jorge Gaudêncio.
Um abraço
José Oliveira


De Fernando Vouga a 19 de Dezembro de 2012 às 18:59
Caríssimo amigo


O que mais me incomoda é saber que a FP de que fala o Cor. Álvaro Sabbo vai de certeza passar à História como uma das grandes figuras nacionais.


De jorge figueira a 19 de Dezembro de 2012 às 19:16
Falando sério: acompanho-o no seu incómodo. Nesta triste vivência, controlada, comandada,  manipulada pela informação produzem-se estas aberrações de que não podemos fugir. Melhor dizendo, resta-nos mostrar o nosso desagrado.


Comentar post

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Notas recentes

Dúvidas

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Culinária Gourmet

Convite

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds