CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Segunda-feira, 8 de Abril de 2013
Brasilês
 

      O DDT, o primeiro pesticida moderno, foi largamente usado no final da década de quarenta do século passado, especialmente para o combate aos mosquitos vectores da malária e de outras doenças. Tratava-se de inseticida barato e altamente eficiente a curto prazo mas, a longo prazo, mostrou ter efeitos prejudiciais à saúde humana, pelo que deixou de ser usado.

      Claro que os brasileiros, como é seu timbre, não esperaram muito para desenrascarem um novo verbo (e seus derivados), que definisse o emprego do produto: DEDETIZAR. Nem mais nem menos. 

      E o curioso é que o termo, decerto criado há mais de setenta anos, continua bem vivo e está para durar.

 

Nota: não estão aqui em causa os atropelos à gramática...



Aditamento em 15 de Abril de 2013:

 

      Recebi por correio electrónico, da parte de um comentador "anónimo", a imagem que se segue e que ilustra a distância do Português de Portugal e do Brasil.

Ao amável comentador, os meus agradecimentos.


 

 

Nota:

Sem grandes exageros, posso afirmar que há muita gente no Brasil que escreve assim...


 



publicado por Fernando Vouga às 18:53
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De Anónimo a 17 de Abril de 2013 às 16:17

Curiosamente ninguém diz nada sobre o "brasilês" ... que ao que se verifica é uma Lïngua escrita ...


De jorge figueira a 17 de Abril de 2013 às 18:02
Desconhecia a dimensão que, pelos vistos, a adulteração do português tem no Brasil. A receita publicada deixa-nos num trabalho de adivinhação semelhante aos primeiros contactos com o crioulo africano logo chegamos vindos de "casa". Caso não acontecessem estas deturpações das línguas teríamos o latim, mais ou menos erudito, ainda em vigor. Nas Antilhas holandesas há uma língua com proximidade ao crioulo que é uma mescla de holandês, francês, inglês e português. Uma bela salada....     


De Fernando Vouga a 17 de Abril de 2013 às 22:30
Caro Jorge


Escritos deste quilate, podemos vê-los em toda a parte no Brasil, em especial no pequeno comércio de rua. É cada calinada!


De Anónimo a 19 de Abril de 2013 às 15:49

... apenas ficaram no estado em que os portugueses os deixaram ... todo o programa da colonização foi uma inépcia ... !
Toda a Europa foi roubar na América do Sul e ... com os Jesuïtas na frente que tinham a Bïblia na mão esquerda e a espada na mão direita ...
Hä que não esquecer a responsabilidade de Portugal nesta tão flagrante ignorância.


De Fernando Vouga a 19 de Abril de 2013 às 16:36
Caro senhor


Resta saber o que é que significa, em termos de direito internacional, a responsabilidade de que fala. A menos que desenterrem os mortos, porque eu cá não me sinto minimamente responsável. Como deve calcular,eu nem sequer estava aí.
E o que é que foi feito desde os tempos do imperador D. Pedro? E a responsabilidade daqueles que roubaram (e continuam a roubar) as merendas destinadas aos alunos das escolas públicas?
Há certas coisas em que não convém mexer muito. Porque quanto mais se mexe nelas, mais elas cheiram...
Abraço


De Fernando Vouga a 17 de Abril de 2013 às 22:27
Caro senhor


Salvo o meu querido amigo Jorge Figueira, aqui neste cantinho à beira-mar plantado, estamos todos preocupados com o futuro e a ver que estes indivíduos que nos governam estão a deitar tudo a perder. O brasilês que se lixe!


Comentar post

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Notas recentes

Pensamento do dia

Dúvidas

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Culinária Gourmet

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds