CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Sábado, 19 de Novembro de 2011
Erros que se pagam muito caro...

Nicolau Maquiavel (Imagem retirada da NET)

 

          Mal interpretado por muito boa gente, Nicolau Maquiavel passou à História como o grande inspirador das mais imaginativas tortuosidades praticadas no exercício do poder. Mas não. Partindo do princípio de que as cosas são como são e não como deveriam ser, este famoso precursor da ciência política, em plena época do renascimento, limitou-se a sistematizar de forma brilhante e pragmática todo o saber político da sua época. Saber este que se tornou intemporal e que, uma vez violado, quase sempre leva ao fracasso.

 

          Abordo este tema a propósito de actual situação política da Madeira, porque achei oportuno retirar da sua obra mais conhecida “O Príncipe”, (escrita em 1513  e só publicada postumamente em 1532), o seguinte trecho:

 

          «Pode chamar-se boa à crueldade (se é possível haver bem no mal) que se exerce somente uma vez, por necessidade de segurança, e depois se abandona e se converte o mais possível em benefício dos súbditos. A crueldade má é aquele que, embora ao princípio seja pequena, aumente com o tempo em vez de diminuir. Os que recorrem à primeira espécie de crueldade podem, com a ajuda de Deus e dos homens, encontrar qualquer remédio favorável […]. Quanto aos outros, é impossível manterem-se. Logo, convém notar que […] o ocupante[1] deve pensar em todas as crueldades que precisa de fazer e praticá-las imediatamente, de uma vez, para não ter de voltar ao mesmo processo e, não as renovando, tranquilizar os homens e conquistá-los pelos seus benefícios. Quem governar de outro modo, por medo ou mau cálculo, ver-se-á obrigado a ter a faca na mão e nunca poderá contar com os seus súbditos.»

 

          Já não é segredo para ninguém o tremendo embaraço do Dr. Alberto João Jardim, que nunca foi capaz de planear seja o que for para lá de buracos contabilísticos, em apresentar um plano de resgate que abra uma porta, embora que muito apertada, ao saneamento financeiro da Região. Pelos vistos, ainda não percebeu que ele é o grande responsável pelo descalabro das contas da Madeira e tudo indica que, talvez por aconselhamento do presidente da JSD-M, irá anunciar as desgraças que nos esperam às mijinhas.

          Ou seja, nos tempos que se avizinham, vamos ser confrontados, quase dia sim dia sim, com anúncios de mais uma “crueldade”. O que, em termos políticos, será fatal para o líder madeirense, conforme explicava Maquiavel há quase quinhentos anos.

 



[1] Leia-se o governante



publicado por Fernando Vouga às 16:25
link do post | comentar | favorito
|

8 comentários:
De jorge figueira a 20 de Novembro de 2011 às 13:55
Em nome de um pragmatismo assente num único ojectivo - ganhar as eleições que estavam no horizonte imediato - foi-se admnistrando a coisa pública, ao longo de trinta e três anos, de um modo extramamente arbitrário e prepotente. Deu, como resultado, as dezenas de vitórias eleitorais de que tanto se vangloria AJJ. 
Queixa-se agora da Europa. Dá-nos conta do caos em que Ela está mergulhada, se por acaso algum de nós lhe perguntar: quantas  toneladas de atum e (ou)  espada-preto são transformadas e exportadas  a partir das fábricas financiadas pelo dinheiro europeu? Fugirá certamente à questão. A razão é simples. Conforme  antes referi  S. Exª  apenas governa para inaugurar pois tudo o que vier a seguir não é com ele.  Os vultuosos investimentos, no seu ponto de vista, esgotam-se no belissimo acto de inaugurar com direito a comes e bebes, notícias nos jornais, bem como filmagem para os noticiários televisivos. A ida dos pescadores para os mares açoreanos ou ficarem, os braços que em terra prepariam o peixe para a exportação, no desemprego é coisa que se  ultrapassa com boa mentira e uma campanha de intoxicação da opinião pública. Este opção de intoxicação não será às "mijinhas" será. isso sim, torrencial. Todos nos recordamos do estaleiro, sediado no Caniçal,  pomposamente anunciado como grande fonte de receitas para a RAM pelos trabalhos de manutenção da frota pesqueira japonesa a operar nesta zona do Atlântico. Não existe mais o estaleiro. Os japonesses não chegaram e os nossos armadores e pescadores continuam sem ter onde reparar as suas embarcações.
Recordamo-nos todos das megalómanas inaugurações vividas ao longo de trinta anos. Podem crer que a nossa administração apenas funciona para um objectivo ganhar eleições. As ostentações inauguracionais visam atingir a emoção dos "fazedores de cruzinhas". Coisa demasiado curta para se confundir com governar. 
Esta realidade, velha de muitos anos, vai, dolorosamente, impor-se. O bulir dos lábios já pressagia que ao "INIMIGO CONTINENTAL" , mais uma vez, se procurará atribuir a responsabilidade pelos erros próprios   


De Fernando Vouga a 20 de Novembro de 2011 às 17:14
Caro Jorge

Verdades como punhos!

Para desgraça de Jardim, els só tem duas saídas: ou abandona o poder ou terá de acabar com o regabofe.
Mas ele sabe que, ao optar pela segunda solução, o seu tão querido "povo superior", que tantas e tantas vitórias lhe deu, o condenará sem piedade. Se o "Grande Timoneiro" lhe de apertar o cinto até que consiga coçar as costas pelo lado da barriga, que é o que nos espera, estará condenado.  Porque o povo, quando se sente a bater no fundo e perde as esperanças, não vai ter contemplações. Estará aberto a qualquer mudança.
Lá dizia Maquiavel: "[...] os homens mudam de bom grado de senhor, convencidos de que vão encontrar melhor."


De Quim do Regadío a 22 de Novembro de 2011 às 23:03

Pois pela boca morre o peixe, assim nos o já velho adágio…

Lamentável é que só agora se levantem as vozes e…que se zanguem as comadres…

Preferível teria sido ouvirmos bem antes de tudo o que agora por aí se aponta assim como útil teria sido “em tempo útil”  um eleitor de jeito!



De Fernando Vouga a 23 de Novembro de 2011 às 09:35
Caro senhor

V. Exª é de regadio e nós vamos ficar de sequeiro.


De Anónimo a 22 de Novembro de 2011 às 21:44
"...se o homem é imperfeito, porque lhe haveremos de propor um mundo perfeito?"; assim nos deixou Nicolau Maquiavel...!
Nada há que nos possa surpreender!


De Fernando Vouga a 23 de Novembro de 2011 às 09:36
Caro senhor

Tem razão. Mas não convém exagerar muito na imperfeicão...


De Anónimo a 27 de Novembro de 2011 às 14:56

"O Homem precisa daquilo que em si há de pior se pretende alcançar o que nele existe de melhor". Nietzche, Friedrich

 


"Não é merecedor do favo de mel aquele que evita a colmeia porque as abelhas têm ferrões." William Shakespeare



De Fernando Vouga a 27 de Novembro de 2011 às 15:12
Caro senhor

Um pouco de cultura geral não faz mal a ninguém. É como a cautela e os caldos de galinha.


Comentar post

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


Notas recentes

Tratado de gestão de empr...

Pensamento do dia

Dúvidas

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds