CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Domingo, 11 de Dezembro de 2011
Quem está de fora não racha lenha

 

          O mal dos políticos portugueses é só saberem governar quando não estão no poder. Quando estão de fora, sabem tudo e mais alguma coisa. Porém...



publicado por Fernando Vouga às 12:35
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De Anónimo a 11 de Dezembro de 2011 às 14:15
Mas será que é o mal dos políticos portugueses ou não será o mal desse povo ?
Esse povo que afinal só racha lenha quando está de fora...esse povo cuja maioria é aceite pela minoria inactiva e que apena se limita ao eco da sombra.
Sejamos sérios.

 


De Fernando Vouga a 11 de Dezembro de 2011 às 18:28
Caro Anónimo

Vou-lhe confiar um segredo, mas peço-lhe encarecidamente que o não revele a ninguém. E o segredo é este: desde pequeno que tenho a certeza de que não sei tudo e isso deixa-me imensamente frustrado.
Nessa conforminade, estebeleci como objectivo da minha vida procurar saber sempre mais e mais. Para tal, estudo, leio e consulto outras pessoas para saber as suas opiniões. E é por isso que tenho este blogue. Sempre que me quero esclarecer melhor, lanço um tema para que os leitores façam os seus comentários e assim saber o que pensam. Ou seja, os comentários são para mim pedras preciosas que muito estimo.
Este seu comentário, decerto que por limitação minha, não me deixa vislumbrar minimamente a sua opinião. Parece-me demasiado subtil. Sobretudo quando refere "esse povo". Será que o meu amigo pertence a outro povo? E o que é que se entende por "esse povo cuja maioria é aceite pela minoria inactiva"? E onde está ou que se entende por  "eco da sombra"?
Para mim é tudo um grande mistério.
Será que me pode dar uma ajudinha e ser um pouco mais claro?


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2011 às 14:19

“ESSE”, é apenas um demonstrativo e que nada tem de prejurativo e quando digo “esse povo”, pois que não hajam susceptibilidades e creia que apenas me limito a um olhar e nada mais.


Penso que nada me impede de olhar como pretendo, ou será que não?


Agradeço o bom conselho que ma dá e creia que o retenho, pois conselhos são sempre bem recebidos desde que não guardem com eles nem o complexo íntimo, nem a o menor sentimento escondido e creia que assim o interpreto, acho que o seu bom conselho “deverá ser sincero” (!?)...e assim o aceito!


Quanto ao “eco da sombra” a que me refiro, pois sempre pensei estar, neste seu blog, em espírito de síntese, sabe que a metafora ajuda a compreender melhor o sentido das ideias...já vi que limitei o seu vislumbrar (...), entretanto, aqui vai a minha definição de “eco da sombra”: - Igreja,uma certa  maçonaria, partidos políticos financiados por bancos do Médio Oriente, espionagem sobre a vida privada do codadão, condicionamento de opiniões através e uma imprensa corrupta, canais de TV pagos (a alto preço) para estupidificar as populações...etc...


Este, Caro Senhor, este é o “eco da sombra” e cujo resultado é a situação dos nossos dias.


Não pertenço a um outro povo e bem vi o seu “orgulho” ferido quando falo “desse povo”, mas diga-me Caro Fernando Vouga, diga-me se poderemos gostar de quem nem gosta de si mesmo, como é o caso de Portugal ?



De Fernando Vouga a 12 de Dezembro de 2011 às 15:31
Obrigado, caro anónimo, pelo seu esclarecimento.
Quanto ao "eco da smbra", está bem visto, mas não é fácil chegar lá. Pelo menos para mim.


De Anónimo a 12 de Dezembro de 2011 às 15:35
Prometo não revelar o seu segredo a ninguém e dada a sinceridade com que mo transmite, pois nunca violarei esta nossa relação em que um bom conselho significa para mim uma prova de amizade sincera e sobretudo de alta estima, o que não esqueço.
Não serei capaz de lhe dar a ajudinha que tão necessitadamente me pede, porque acredite que não tenho as capacidades de certos filantropos que se dedicam a ajudar quem precisa...não, não serei capaz de o ajudar.
Como também não falo para me ouvir, dedico o meu pensamento a leitores inteligentes, frequentadores tolerantes, receptivos e que - tal como acontece em DEPROFUNDIS - têm cada vez mais amplitude de análise e isso nota-se, vejo que sim.
A mais larga tolerância na mais estreita independência...ou será que já nem posso pensar como entendo ?

 


De jorge figueira a 16 de Dezembro de 2011 às 18:24
Não pretendo ensinar o Padre-Nosso ao vigário. A verdade, porém, é que todos sabemos que a Europa, sobretudo para os anglo-saxónicos, só existe para lá Reno. As coisas são assim há séculos. Resolvam os alemães acertar as fronteiras tendo à frente Bismark, Kaiser Guilherme, ou Afolf Hitler e logo anda a Europa, ou o mundo, envolvido em mais uma dolorosa tropelia. Os nossos políticos esqueceram, nos anos que se seguiram ao 25 de Abril, este pequeno pormenor.

Vimo-los, encanntados da vida, esquecerem que, desde a entrada na Europa, estavam condicionados a um deficit de 3% do PIB. Não foi o partido A ou B. Foram todos quantos formaram governo desde 1986 a 2011. Tivessem eles governado na plena aceitação deste principio e não  teríamos chegado aonde chegámos. Todos ludibriaram o eleitorado com palavrinhas mansas, sorrisos  e festas. Endividaram-nos por várias gerações e continuam, como muito bem afirma o dono do blog, quando na oposição (na RAM é diferente mesmo no poder dão-se as mesmas garantias. Caso não se encontre um ombro amigo que aceite o choradinho culpabiliza-se LIsboa, a maçonaria ou a trilateral), cheios de ideias, para sem aumentar impostos, pagar dívidas.
O problema ganha dimensão bem maior quando, para além destas histórias idiotas para boi dormir, na aldeia global em que nos transformámos, os detentores de rendimentos do trabalho começam a dar conta de que só eles pagam impostos pois os outros rendimentos emigrando de off shore para off shore evitam ser tributados. A opera montada começa a ser cansativa. Urge alterar regras pois ser-se filantropo nos USA, depois de se ter emigrado lucros recebidos quase sem tributação, fica fácil. 


Comentar post

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Notas recentes

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Culinária Gourmet

Convite

Politicamente incorrecto.

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds