CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Terça-feira, 14 de Março de 2017
Fidelidade à palavra dada

djoaoiii.jpg

 Imagem recolhida na NET

 

Já vão longe os tempos em que o cumprimento da palavra dada era um ponto de honra. No Sec. XVI, D. João de Castro, um ilustre governante ao serviço da soberania portuguesas em terras da Índia, não podendo efectuar um pagamento, por falta do dinheiro que lhe deveria ter sido enviado de Portugal, viu-se na situação embaraçosa de ter de empenhar as suas próprias barbas, para garantir que a palavra dada seria cumprida.

De lembrar que, nesse tempo, as barbas tinham muito a ver com a honra e o prestígio dos grandes senhores e, pelos vistos, tinham valor "comercial", digamos assim. Note-se ainda, que D. João de Castro ainda tentou empenhar as ossadas do seu filho, mas elas estavam em tal estado de decomposição que nunca seriam aceites como penhor. E as barbas eram o último recurso de que dispunha.

Poderá parecer ridículo, nos tempos que correm, que barbas e ossos de estimação, servissem de garantia. Mas os princípios eram outros e em questões de honra não se podia transigir.

Vem esta história a propósito do valor da palavra nos dias de hoje. Faltar ao seu cumprimento, ou até mentir descaradamente, passou a ser um acto de esperteza prestigiante. De tal forma, que a prática se está a generalizar ao povo em geral. Por exemplo, numa simples loja de pronto a vestir, nada é garantido. Pergunto: quantos de nós fomos já confrontados com a situação de não nos entregarem no prazo estipulado um par de calças que necessitava de subir a baínha? E, pior ainda, quando tal acontece, os empregados cometem essa desfaçatez com toda a naturalidade e até estranham quando algém mostra um ligeiro desagrado pela indelicadeza e falta de respeito.

Para terminar, lembro que o incumprimento da palavra dada está reservado exclusivamente à classe política, pelo que algo terá de ser firmemente legislado, de modo a pôr fim à apropriação desse expediente pelo cidadão comum.



publicado por Fernando Vouga às 15:49
link do post | comentar | favorito
|

5 comentários:
De Jorge Figueira a 15 de Março de 2017 às 10:13
Eu proporia o regresso ao uso da barba. 
O risco é sermos confundidos com os imãs, 


De Fernando Vouga a 15 de Março de 2017 às 20:44
Tudo tem os seus riscos. 
Se desse para empenhar, deixava-a crescer. 
Mas vai uma sugestão intermédia: deixemos apenas medrar as que dão para emprenhar...


De Anónimo a 17 de Março de 2017 às 09:28
Infelizmente, esses costumes estão em desuso. Se os políticos, que estão acima de nós a gerirem o pessoal, são os primeiros a dar o dito pelo não dito, a malta aprende que é mesmo assim que se deve ser. Maus exemplos, e mais não digo.


De Anónimo a 17 de Março de 2017 às 14:42
Infelizmente, são assim os dias de hoje. Mas com exemplos tão maus que, diariamente, observamos dos nossos políticos, nossos governantes, não podia dar bom resultado. Se eles mentem, o povo tb está no seu direito. Embora ache que não devemos ser macaquinhos de imitação, é óbvio. Passou-se a um salve-se quem puder.
BFsemana.


De Fernando Vouga a 18 de Março de 2017 às 10:35
Caros comentadores de 17 de Março


Essa gente vai para lá porque há quem vote nela. Por outro lado, quem for sério e competente não tem apetência pela política porque, sabendo que terá  de obedecer aos poderosos do dinheiro, não está ara sjar as mãos.


Comentar post

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Notas recentes

Dúvidas

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Culinária Gourmet

Convite

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds