CONTRA OS ABUSOS DO PODER VENHAM DONDE VIEREM
Terça-feira, 28 de Junho de 2016
Para quem gosta de ler

1984R.jpg

    George Orwell combateu na guerra civil espanhola, integrado nas forças marxistas. Porém, a despeito das paixões violentas que essa guerra despertou, teve a lucidez suficiente para reconhecer que esse conflito não se destinava a libertar o povo espanhol mas apenas substituir um totalitarismo por outro, quiçá pior.

    A obra que aqui se apresenta, é um ataque cerrado a todas as formas de totalitarismo. Embora escrita em 1949, é de uma grande actualidade, quase profética, e lança um sério aviso sobre determinadas metodologias de quem nos governa (ou de quem manda nos governantes) que, a pouco e pouco, vão cerceando a nossa liberdade.

    Ao longo da História, houve muitas tentativas de dominar o mundo, que acabaram por fracassar. Átila, Gengis Khan, Napoleão, César, Hitler, Stalin tentaram-no pela força. Outros, mais inteligentes, preferiram entrar na “alma” das pessoas para as controlar e explorar. Assim foi nos tempos bíblicos em que os Hebreus, para justificarem o seu domínio sobre os “gentios” do mundo então conhecido, criaram um deus muito conveniente que os elegeu como executores da sua vontade. Um deus omnipotente, omnipresente e omnisciente. Tudo via e tudo sabia, passado, presente e futuro, inclusivamente, o que se passava na mente de todos. Não havia qualquer possibilidade de se esconder fosse o que fosse…

    Orwell, nesta sua obra, criou a figura do “Grande Irmão” (Big Brother) com as mesmas capacidades do deus dos Hebreus. Para tal, na falta do poder mágico dos deuses, serve-se dos avanços da tecnologia de forma a controlar tudo e todos. “O Grande Irmão está a ver-te” (The big brother is watching you), é o lema.

    Claro que se trata de uma alegoria, um tanto sarcástica, mas que nos alerta contra o perigo de sermos transformados em seres amorfos, acéfalos, sem espírito crítico, sem ideias próprias e submissos. Ou seja, carne para canhão e mão-de-obra ao preço da chuva.

    E o que está a acontecer hoje já é assustador. Paulatinamente, o Estado, a propósito de tudo e mais alguma coisa, vai instilando na mente das pessoas a sensação de que estamos ameaçados por perigos, reais ou fabricados, que justificam o corte sistemático das nossas liberdades mais elementares. Tudo em nome de uma segurança que, curiosamente e para nossa desgraça, nunca funcionou como deveria…

 



publicado por Fernando Vouga às 14:27
link do post | comentar | favorito
|

gse_multipart60608.jpg Tomates.jpg Santana Lamego
pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Notas recentes

Quando fala a ignorância....

Não será com mel que se a...

A nega de Temer

Lamego Monumental

A arte de distorcer

Uma questão de padrinho

Ele há cada alarve!

Culinária Gourmet

Convite

Politicamente incorrecto.

Favoritos

Deixem os amigos em paz

Para onde vais, América?

Arquivos
Tags

todas as tags

Blogs amigos
Mais sobre mim
GALERIA FOTOGRÁFICA
Xangai
Nepal
Brasil
Praga
Visitas
free web counter
blogs SAPO
subscrever feeds